NUNCA MAN Claudio Rodríguez Fer

Fragmentos do meu poema ecoloxista “Nunca Man”, de A loita continúa, é improvisado e musicado no último disco a través da lectura-interpretación dos textos poéticos por Ad Hoc . A voz inicial da gravación adxunta é a do propio artista nudista de Land Art coñecido como Man, o alemán de Camelle, quen faleceu cando a marea negra destruíu o seu museo natural.

NUNCA MAN

A Manfred Gnadinger,
o alemán de Camelle,
morto durante a marea negra
que asolou Galicia en 2003.

 

Nunca Man, o alemán de Camelle,

sempre o puro ecoloxista sen familia e sen roupa,
sen arrimo e con algas, sen compaña e con algas,
sen destino e con algas, sen orixe e con algas,
sen amor e con algas, sen máis recoñecemento
que o do misterio do ceo sobre a arte da terra…

A marea humana limpará o museo
para sempre dos que o emporcaron,
para sempre dos que murmuraron,
para sempre dos que se burlaron,
para sempre dos que o humillaron,
para sempre dos que o golpearon,
para sempre dos que o mataron…

Nunca Man, o alemán de Camelle,
o Tolo da Vida na Costa da Morte,
sempre a súa Vida inoportuna,
nunca a súa oportuna Morte.

O FILHO PRÓDIGO Artur Alonso

Como um leão de fogo, com olhos e ouvidos alerta, contemplava a virgindade da vida, aquele humano ser que de si mesmo ainda se esconde.

Depois de atravessar três reinos, em três anteriores cadeias (vencendo, passo a passo, cada íngreme montanha e cume); agora contempla aquela luz basilar, invicto, com a sombra dum corpo humano conquistado pelo esforço antigo. Corpo e humano, tão perfeito, como nunca imaginar quisera, pudera, antes de obter uma carne tão envolvente. Mas lamentavelmente ele ainda era cego, para as cousas do amor e do coração como copo de elixir eterno.

Memorias dos seus ossos falavam a língua dos minerais (não menos silenciosa que dúctil lembrava de pedra ser sua alma). Lembranças de seu olfato, gosto, tato (como isso se pudera exemplificar) sentia na macia pele dos vegetais como sua. A verdura do campo, percorrendo seus nervos adjacentes, vivificante todavia nas sensações que ele sentia, sonhando tudo, da campina, nos pertence. Segue lendo

Blogo máis alá do que imaxinas!